quarta-feira, 4 de janeiro de 2006

Vivemos numa era em que a mudança rápida origina medo e o medo, muito frequentemente, congela-nos numa rigidez que confundimos com estabilidade.

Lynn White - historiadora

5 comentários:

Bal disse...

A sensação de não participar no movimento ambiente pode ser muito penalizante.
Podemos mudar as nossas percepções ou convicções limitadores a este respeito.
E tambem podemos, se for o caso, verificar que os nossos valores ou identidade nos levam a recusar participar de um ritmo que podemos achar intolerável. Neste caso, convem estar muito certo das convicções, e do tipo de filtros usados, verificando a congruência e valor ecológico das decisões a tomar!

Anónimo disse...

Estão a falar da Paula Bobonne?

Anónimo disse...

Ou será da Lili Caneças?

Morena Carioca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Morena Carioca disse...

Parece ser desconfortante a ideia de sairmos da nossa zona de conforto, e irmos em busca da mudança, do que realmente queremos, do que de fato é atrativo. O medo é consequência de não conseguirmos levar adiante nossos conceitos,por simplesmente achar que não vale tentar ousar, ou arriscar algo diferente, para simplesmente não correr o risco de se enganar.