sexta-feira, 29 de abril de 2011

Artigo do mês: AUTO-DELEGAR

Uma das maiores dificuldades na solução de problemas respeitantes a insatisfações de carácter interno e toda a gama de descontentamento de ordem pessoal relativos à realização de objectivos, talvez tenham a ver com a dificuldade que temos em auto-delegar.
Explico: identificámo-nos tanto (empregando terminologia de PNL:” associámo-nos” tanto) com uma pequena parte de nós, que com essa pequena parte, queremos controlar as emoções e realizar toda a enorme gama de tarefas que caracterizam um ser humano. O “corpo” está sequioso de afeição ou, internamente, podemos sentir vazio, ou queremos resolver um sentimento de culpa, andamos às voltas, mentalmente, dias, meses, às vezes anos, com a mesma preocupação, e o que fazemos geralmente? Vagueamos pelo mundo fazendo as coisas da mesma maneira e obtendo assim os mesmos resultados. E fazemo-lo, geralmente, apelando à racionalidade ou usando automaticamente o pensamento circular feito de repetição dos mesmos pensamentos. A mente (mais ou menos) consciente quer perceber a situação, conhecer o primeiro acontecimento, analisar e encontrar as variáveis e controlar o processo para encontrar a “solução”. E enquanto faz isso, na maioria das vezes, o problema agrava-se...

Para ler o artigo completo, clique: http://pnl-portugal-artigos.blogspot.com/
PUBLICADO NA REVISTA PNL-PORTUGAL 05-MAIO 2011

6 comentários:

Dani disse...

amei... eu peço ajuda ao meu anjo da guarda, ou ao espírito santo!

José Figueira disse...

Óptimo, o anjo da guarda ou o espírito santo, são metáforas que podem muito bem ser empregues para despertar recursos internos não utilizados. Quanto mais ciativos formos ao imaginarmos estas identidades - "partes" de nós - maiores serão possívelmente os resultados.

Dani disse...

no fundo, escolho entregar as situações que vivo à parte de mim que é sábia, genial, perfeita, impecável, amorosa e pacífica e uso a mente a meu favor (a favor do Amor) e não contra mim (a favor do medo)

José Figueira disse...

Mais uma vez: Óptimo!
Numa definição abrangente:
- PNL é tudo o que funciona.
Resume-se em despertar recursos.

A criatividade impera!

Anónimo disse...

Adorei o artigo.

Se bem percebi, devemos encarar o lado prático das nossas diferentes personalidades.

A mestria julgo está em conhecer cada um dos diferentes tripulantes e deixar fluir sem complicar...aceita-los e trabalhar em sincronia.

Estou em crer que já foram há muito tempo recrutados para compor o nosso barco da vida...

Terei interpretado correctamente ?

Nelson Santos

José Figueira disse...

Muito bem percebido, Nelson.
Somos feitos de "partes" que se desenvolveram não só na nossa vida mas que são o resultado do processo histórico da existência na Terra. Cada "parte" tem objectivos próprios e cada transformação numa parte influencia todas as outras partes de nós. A mente consciente não está em estado de calcular todas as implicações de uma transformação. É a ilusão completa pensar que com uma parte de nós podemos controlar o todo animal e humano em nós.Desrespeitamos até partes de nós, o que quer dizer que nos desrespeitamos. Acredito que o grande salto qualitativo da nossa vida tem como base uma nova maneira pacífica e amorosa de lidarmos comnosco (inclusivamente as partes não funcionais).

Obrigado Nelson
J.