terça-feira, 15 de novembro de 2005

Marcenaria...

Contam que numa marcenaria houve uma estranha assembleia.
Foi uma reunião, onde as ferramentas se juntaram para acertar as suas diferenças.
Um martelo estava na presidência, mas, os participantes notificaram-lhe que teria que renunciar. A causa?
Fazia demasiado barulho e além do mais passava o tempo todo martelando.
O martelo aceitou a sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, dizendo que ele dava muitas voltas para conseguir algo.
Diante do ataque o parafuso concordou, mas por sua vez pediu a expulsão da lixa. Dizia que ela era muito áspera no tratamento com os demais, entrando sempre em atritos.
A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse o metro, que media sempre os outros segundo a sua medida, como se fosse o único perfeito.
Neste momento entrou o marceneiro, juntou todos e iniciou o seu trabalho.
Utilizou o martelo, a lixa, o metro e o parafuso. Finalmente, a rústica madeira converteu-se num fino móvel.
Quando a marcenaria ficou novamente sem ninguém, a assembleia reactivou a discussão. Foi então que o serrote tomou a palavra e disse: Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o marceneiro trabalha com as nossas qualidades, ressaltando os nossos pontos valiosos. Assim, não pensemos nos nossos pontos fracos e concentremo-nos nos nossos pontos fortes.
Então a assembleia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limpar e afinar asperezas e o metro era preciso e exacto. Sentiram-se então como uma equipe capaz de produzir móveis de qualidade e uma grande alegria tomou conta de todos pela oportunidade de trabalhar juntos.
O mesmo ocorre com os seres humanos. Basta observar e comprovar.
Quando uma pessoa procura defeitos noutra, a situação torna-se tensa e negativa. Ao contrário, quando se procura com sinceridade os pontos fortes dos outros, florescem as melhores conquistas humanas. É fácil encontrar defeitos, qualquer um pode fazê-lo. Mas encontrar qualidades... isto é para os sábios!!!

Autor Desconhecido.
(adaptado de O Golfinho)

1 comentário:

fmendonca disse...

Que bronca! Logo na minha primeira colaboração repeti uma metáfora já apresentada pelo Zé. Ganda galo!